quarta-feira, 25 de julho de 2012

Do desconforto social como forma de violência (e de como tudo acabou comigo a mandar-vos para o caralho)



Há muito tempo que aqui não escrevo sobre questões LGBT, porque, confesso, egoisticamente, não tenho estado centrado nesse tipo de preocupações. Um um triste acontecimento recente fez-me, contudo, recordar um maravilhoso texto do Mario Vargas Llosa que li aquando do assassinato de um homossexual chileno por um grupo de patifezecos.

Há pouco tempo, um familiar de uma amiga minha suicidou-se, num país da América do Sul, onde vivia. Não teria mais de 20 anos, tinha estado em Portugal de férias e, quando regressou a casa, decidiu pôr fim à própria vida. Ontem soube a razão mais que provável - era gay e não aguentou a pressão social relacionada com a afirmação dessa característica. Não suportava viver escondido, e a sociedade reagiu negativamente à saída do esconderijo. Não foi assassinado como o rapaz chileno, mas foi encaminhado para a morte por um contexto injusto e violento, em que, em pleno séc. XXI, a homossexualidade continua a ser vista como um bicho de sete cabeças, todas elas conspurcadas e pejadas de vício. Não era fraco, mas não conseguiu suportar o peso da rejeição e do ódio. Caiu onde qualquer um de nós cairia, talvez muito antes.

Vargas Llosa, no seu artigo no El País, culpava pela morte do jovem toda a sociedade chilena e a homofobia que esta aceita e reproduz, e não apenas o bando de marginais que executou directamente o acto. Eu acho que todos nós, que continuamos a permitir que o racismo, a homofobia, o preconceito religioso, e todo o tipo de discriminação continuem a minar a nossa existência comum, somos culpados pelo estado de desesperança, de desamparo, de solidão, de desespero, em que colocamos os nossos jovens, levando-os, com a nossa acção ou apatia, à morte.

E não somos menos culpados porque não nos importamos, porque não querermos saber, porque, normalmente, a menos que a diferença seja muito estridente, até nem nos incomodarmos com a presença do gay ou do preto. Somos cúmplices quando "não temos nada contra", mas ficamos "desconfortáveis" com a presença de dois homossexuais, quando "até gostamos de ir ao chinês", mas achamos que aquela cultura é "muito estranha", "são gente com que nunca se vai «integrar» completamente".

É este desconforto que eu não entendo. E não há, creio, com a informação a que a minha geração tem acesso, proveniências de Bragança, frequências de colégios internos, profissão de religiões ou seitas mais radicais, que o possam desculpar.  A diferença devia suscitar curiosidade, nunca incómodo, sobretudo nas gentes com vinte e poucos anos, que andam sempre a comprar as roupas mais estapafúrdias, a ouvir a música mais idiota, mas mais recente, o cinema mais estupidificante, mas mais "moderno"...

E é por tudo isto que me senti extremamente incomodado, e agora com razão, quando, outro dia, chegaram dois amigos gays, e, posteriormente, uma tipa que estava no meu grupo revelou ter-se sentido "desconfortável" a partir daí. Desconfortável...na presença de dois outros seres humanos só por causa de uma característica que não escolheram e que, principalmente, não prejudica absolutamente ninguém.

Desconfortável...só gostava era de saber o que pensaria a criatura se tivesse noção de que foi, provavelmente, a partir de manifestações, mais violentas talvez, deste nosso "desconforto" que partiu a decisão de morrer daquele rapaz, de abandonar tudo, de desistir... Se calhar, marimbava-se no assunto. Com certeza que a puta do nosso mundinho, das nossas merdinhas, dos nossos preconceitozinhos, é mais importante do que a vida de um tipo que nem conhecíamos e que se calhar, não passava de um fraco, porque, afinal, ser paneleiro, hoje, já não custa nada.

Opá, vão todos para o caralho, é o que me apetece dizer, e peço desculpa pela fraquíssima qualidade estilística do texto, mas hoje, e perante este tipo de acontecimentos, não sou capaz de melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário