sexta-feira, 1 de junho de 2012

Reflexões sexuais - Paris.



Eu era, até recentemente, relativamente conservador no que concernia às minhas práticas amorosas/sexuais. Do ponto de vista teórico, como já terão reparado aqueles que não têm grande coisa para fazer e decidiram ler qualquer coisita do que escrevi, aceito quase tudo, mas tinha dificuldade em me imaginar em situações que saíssem da norma. E, então, os relacionamentos (sexuais e emocionais) eram a dois, com uma série de limites auto-impostos, em que quase todas as liberdades caíam no âmbito da traição e as relações "abertas", poliamorosas, ou outras que fugissem à história monogâmica dos príncipes encantados eram estranhas, menores, menos completas. E isto mesmo depois de ter lido a Insustentável Leveza do Ser, que já me fez, pelo menos, repensar, quando não mesmo aniquilar, uma série de (pre)conceitos enraizados acerca da forma como as relações sentimentais humanas (genericamente) deveriam funcionar. E sobre o que era o Amor, como deveria ser posto em prática, a conjugação com o sexo, o funcionamento da parte física em correlação com aquela a que (no "ocidente") chamamos de psíquica/emocional.

A mente arejou, mas a manifestação material do pensamento continuava a seguir a rotina judaico-cristã do 1x1, com pouca variedade e, de preferência, apenas as vezes suficientes para os nossos amigos verem que não somos estranhos por não fodermos, mas também não nos acusarem de estarmos a enveredar pelo carreira profissional das senhoras do Intendente (ainda por cima de forma gratuita!).

Depois estive em Paris, 4 dias, para um torneio no qual ficámos, já agora, em último lugar. E estive-me a cagar - por estar em Paris, por estar com (algumas) pessoas que já não têm idade (nem pachorra) para andar com a cartilha das restrições sociais atrás, porque me apeteceu. E foi muito bom não ter de encaixar comportamentos em normas, deixar materializar a imaginação, evitar elucubrações desnecessárias sobre momentos positivos, mas dificilmente definíveis. E, afinal, o número perfeito podem não ser 2, a fidelidade não é sinónimo de monogamia, o sexo fora do um contra um não carrega, automaticamente, a estampa da traição ou da promiscuidade, e o amor, o desejo sexual, a atracção emocional, os relacionamentos assumem uma diversidade tal de matizes que será sempre impossível tentar encontrar uma norma final de definição da completude que se afaste do hedonismo particular de cada um.

Não quer isto dizer que, de volta ao Portugal católico (do apego ao escondido e ao proibido), venha completamente mudado e preparado para largar uma estrutura (normativa emocional) construída ao longo dos meus 25 anos de vida. Mas venho, pelo menos, confuso, inseguro acerca da linha que separa o correcto do inadmissível, num estado de incerteza acerca das normas que convém manter e daqueles que deixou de fazer sentido prosseguir, com muito menos ideias relativamente àquilo que quero, do sexo e do amor, para o futuro. E, não obstante, com uma certeza muito clara de que a felicidade amorosa/sexual se constrói muito mais facilmente no meio da confusão de ideais, de premissas, de comportamentos, do que no marasmo da rotina e na coerção das práticas socialmente tipificadas ou aceites.

2 comentários:

  1. Mais uma vez, bastante interessante, Manel.

    Não concordo com várias das coisas que dizes, mas louvo a importância de questionarmos os supostos princípios Judaico-Cristãos que nos são incutidos desde cedo, mesmo para aqueles que se encontram foram do mundo religioso; é a própria sociedade portuguesa que fermenta esses moldes comportamentais.

    Uma bela reflexão, à Esquerda, sobre aquilo que é ou não admissível quanto ao comportamento sexual/amoroso. Parabéns!

    Abraço,
    Miguel

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Miguel.

    Gostava era de saber quais são as tuas discordâncias ;)

    Abraço!

    ResponderEliminar