quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Experimentar.




Quando escrevia sobre política ou questões sociais ligadas a interacções humanas mais gerais, digamos, não passavam dois ou três posts sem receber um ou outro comentário. Ultimamente, tenho-me atrevido a lançar algumas ideias sobre amor e relacionamentos. E ninguém tem dito nada. Isto pode ter duas explicações: ou são como eu e não percebem, também, nada disto, ou consideram que aquilo que tem sido escrito é tão tonto e desfasado de tudo o que é real e que convosco acontece que desmerece qualquer tipo de nota. (Não que eu percebesse grande coisa de política, mas pelo menos nesse campo, creio, auferia de menos dúvidas em relação à minha própria experiência pessoal e convicções internas). Tenho, todavia, tido uma necessidade grande de discutir estas questões e, portanto, aqui vai mais uma atoarda, sobrevoando o vosso silêncio ou desdém.

No outro dia, no mítico Bairro Alto, discutia com a B. sobre relacionamentos. Ela dizia-me ser incapaz de estabelecer um contacto de carácter amoroso/sexual com uma pessoa com quem não namorasse. A B. não "curte", não "come na noite" (que expressão, realmente), só namora. E namora sempre por pouco tempo. Eu achei estranho. Em primeiro lugar, porque quando se conhece alguém começa-se por "curtir", por conhecer "sem compromisso", como quem vai às compras de roupa e leva uma peça de que gostou para os provadores. Depois veste-a, sente-lhe o tecido, observa o corte, a maneira como assenta, a forma que adquire no corpo. Se gostar, compra-se, senão descarta-se. Com a construção de uma namoro, o processo é semelhante. Hoje, já ninguém compra sem experimentar. E bem.

Mas o experimentar, a prática de relações amorosas relativamente fortuitas, não funciona, somente, penso eu, como precedente da compra. Muitas vezes não se ultrapassa, nem se quer, à partida, ultrapassar, a fase da experimentação. Como quem gosta de uma roupa que sabe perfeitamente que lhe assentará mal. E mesmo assim, pega nela e entra no vestiário. Aqui o acto de experimentar tem uma função primacialmente lúdica e, secundariamente, de sondagem do "mercado". Ver quem anda disponível, porquê, o que têm normalmente as pessoas para oferecer, o que pretendem, como se sentem com elas próprias, como se relacionam. A angariação de todas estas informações será de grande importância quando, em momento posterior, encontrarmos alguém que consideremos merecedor de uma atenção diferente.

Experimentar é, desta forma, acho eu...e isto não é grande coisa, bem sei, o alicerce de relações saudáveis posteriores. O pior é quando, por medo, por hábito, por necessidade, nos quedamos sempre nesta primeira fase.

2 comentários:

  1. Gostei deste post, fez-me pensar (como aliás, todos os teus outros posts). Gosto do teu sentido critico, do teu lado mordaz, da tua ironia, das tuas observações. Há muito que não passava pelas tuas ruas. E como tenho imensas saudades muitas, resolvi vir cá.

    Experimentar é bom, é divertido. O pior é quando se torna mesmo um hábito.

    Mil beijinhos deste lado do mundo (quantas vezes dizemos que o mundo é uma coisa pequena. Mas agora está demasiado grande, e distante)

    Andreia :)

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelos elogios, quase todos imerecidos. Sinto, igualmente, enormes saudades tuas e espero, impacientemente, a resposta ao meu últo mail :P.

    Ps: quando o experimentar se torna um hábito, há duas coisas a fazer, ou se deixa andar ("não quero relações sérias"...) ou se tenta perceber porque foram auto-impostas determinadas barreiras interiores.

    Beijo com saudades, muitas.

    Manel

    ResponderEliminar