segunda-feira, 25 de abril de 2011

Que se cumpra Abril, 37 anos depois.








Hoje foi o dia em que, mais uma vez e com o mesmo entusiasmo, celebrámos a queda do regime fascista português. O desfile comemorativo da data contou com a presença de várias dezenas de milhares de pessoas que (ainda) acreditam que esta data deve continuar a ser assinalada e celebrada. A direita, infelizmente, tem insistido em não se associar a esta comemoração popular e os únicos representantes das políticas que vêm (des)governando o nosso país desde 1976 que se encontravam na marcha eram os baby-boys da Juventude Socialista, - e que curiosa aquela escolha da cor amarela para as bandeiras da JS, não é?

Tirando esta meia dúzia de "amarelos" que não faço ideia do que gritou, na medida em que o PS tem sido o bastião da destruição dos ideais e conquistas de Abril, o protesto popular direccionou-se, em primeiro lugar, contra a intervenção do FMI e, depois, contra os sectores políticos que têm estado no comando do nosso país nestas últimas três décadas: PS, PSD e CDS. Foi reconfortante perceber que ainda existem uns milhares de pessoas que não aceitam que a única "alternativa" está entre Sócrates e Passos Coelho e que acreditam que a economia é que deve servir as pessoas e que o inverso será sempre uma perversão num sistema democrático.

O socialismo democrático, apesar de relativamente moribundo, vai encontrando algumas formas interessantes de expressão que contestam os apelos aos compromissos e o "entendimento" (leia-se: o tal compromisso PS+PSD+CDS de mais de 30 anos) que vem desbaratando a herança social de Abril de 1974 e apresenta-se (eu gostava que através de uma ampla plataforma de esquerda, juntando PCP, BE, etc.) como uma outra alternativa. Uma alternativa que não quer apenas um Portugal democrático, mas também social e economicamente justo, que não vê o movimento que se iniciou em Abril de 1974 cumprindo apenas com a garantia do sufrágio universal livre, mas também com a garantia de saúde, educação, bens essenciais, habitação e trabalho para todos. Espero que, neste dia, a tenhamos conseguido transmitir.

Sem comentários:

Enviar um comentário