segunda-feira, 28 de março de 2011

E se experimentássemos a esquerda?




Na semana passada o primeiro-ministro teve, finalmente, a sensatez de se demitir. Percebeu que o estado a que havia deixado chegar este país (ou o estado em que o colocou) já não se coadunava mais com o desplante de aparecer como o chefe do executivo da nação. Claro que vai voltar a concorrer numas próximas eleições - mantém o lugar de Secretário-geral do PS . Esta retirada foi meramente estratégica, quem sabe para ver se, assim, pode permitir a entrada do FMI sem cair, novamente, em contradição.


Cavaco Silva encontra-se completamente perdido perante esta situação, como é, aliás, habitual na forma de intervenção política a que nos vem habituando desde que ocupou o Palácio de Belém. Sabe, contudo, que terá de marcar eleições ainda antes do Verão. Numa sondagem realizada para a TVI, o PSD é apontado como o vencedor destas eleições, mas sem maioria absoluta, enquanto o PS se mantém um segundo lugar muito confortável. Por sorte não escolhi ciências como a Psicologia ou a Sociologia como áreas de formação. Seria completamente inapto, na medida em que não consigo, de forma alguma, compreender o povo português.


Seria normal, considero, que perante a actual situação, os portugueses optassem por políticos diferentes dos suspeitos do costume (PSD, PS e, também, CDS). Mas não, são estes os partidos que concentram, segundo a sondagem, bastante mais de 80% das intenções de voto nas próximas legislativas. Por mim, gostava de propor uma ideia completamente louca: uma coligação (ampla) de esquerda, juntando o BE, PCP, alguns sectores da esquerda do PS (se é que existe algum que não esteja já moribundo) e, eventualmente, outros micro-partidos da esquerda nacional. Tudo isto apoiado numa base de apoio popular ampla e com um programa muito simples, curto e apoiado nalgumas medidas essenciais: fortalecimento do Estado Social, implementação de melhores mecanismos de distribuição de riqueza, regulação mais eficaz das actividades especulativas, promoção de alguma (moderada) inovação social e contenção dos grandes investimentos em obras públicas. Enfim, no fundo a reinvenção moderna das Frentes Populares dos anos 30 do século passado.


Claro que todas estas elucubrações não passam de fantasias inconcretizáveis. Não por causa do discurso ultra-demagógico que propaga a ideia da impreparação dos partidos da esquerda para governarem, mas sobretudo porque estes, na tentativa de defenderem o seu magro eleitorado, tendem a agarrar-se à mais ínfima diferença entre eles, em vez de procurarem centrar-se nas semelhanças que os poderiam aproximar.


O BE com a insistência quase obsessiva no vanguardismo sexual (legalização da prostituição, adopção por casais homossexuais, etc.) e na luta por causas ultra-minoritárias e, sejamos francos, ligeiramente irrelevantes no "estado a que isto chegou" (legalização da marijuana, etc.). O PCP porque ainda não percebeu que já não existem camponeses e operários para fazer a revolução anti-burguesa e porque insiste em não abandonar o discurso completamente ultrapassado de 1917. A ala esquerda do PS porque imagina que ainda pode tornar o PS num partido de centro-esquerda.


Atenção, que eu identifico-me e defendo acirradamente todo este vanguardismo do BE e concordo com inúmeras máximas marxistas ainda hoje defendidas pelo PCP. Penso, contudo, que hoje cumpre procurar defender os princípios mais gerais da esquerda - igualdade, justiça social, moderação do capitalismo desenfreado, etc. - ao invés de procurar purismos ideológicos mais extremos.


Enfim, pode ser que o nosso povo aprenda com algumas lições islandesas. Infelizmente, acho que não.

terça-feira, 22 de março de 2011

Artur Agostinho: o outro lado.




Hoje morreu Artur Agostinho, jornalista e actor português de renome. Morre como um herói, com direito aos maiores elogios de Cavaco Silva, o mesmo que ignorou a morte de José Saramago, um dos maiores escritores contemporâneos portugueses e único galardoado nacional com Prémio Nobel da Literatura. Com o maior respeito pela figura de Joaquim Agostinho e sem querer, de forma alguma, fazer um ajuste de contas com o passado, penso, contudo, ser meu dever não deixar cair no esquecimento alguns outros factos da vida deste profissional do jornalismo português (que muito terá dado à reportagem desportiva nacional).


Este senhor, por muitos apodado de "fascista", foi preso no rescaldo dos acontecimentos do dia 28 de Setembro de 1974, acusado estar conluiado com as maquinações da reacção. Decidiu, depois de ter sido libertado, exilar-se no Brasil. Esta prisão talvez tenha sido exagerada, produto do ímpeto revolucionário que se vivia, mas a verdade é que, penso, Artur Agostinho não se pode desligar inteiramente do epíteto de "jornalista do fascismo". É que, antes do 25 de Abril de 1974, Artur Agostinho estava, na Emissora Nacional, sempre pronto para entrevistar as mais altas figuras da ditadura portuguesa (até Salazar, no retorno do Santa Maria, capturado por democratas portugueses) e para transformar a reunião de meia dúzia de pacóvios para ver o Almirante Américo Tomás em grandes manifestações de adeptos do regime fascista português.


Este jornalista, agora falecido, não negou nunca estas suas práticas, justificando-as com o facto de "serem aquilo que toda a gente (no âmbito do jornalismo) fazia". Não é verdade. Mesmo nos mais negros tempos do fascismo, os verdadeiros democratas não ficaram calados. Lutaram, sempre, os verdadeiros jornalistas, arriscando a carreira, a liberdade física e mesmo a vida! Àqueles menos corajosos pedia-se, apenas, que não colaborassem com a repressão e com o culto de personalidade posto em prática pelo regime. Não foi esta, infelizmente, a atitude de Artur Agostinho.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Eu quero casar-me com um ministro!




Ao contrário daquilo que eu achava possível, José Sócrates ainda conta com um bom punhado de apoiantes. O mais extraordinário é que se trata de criaturas que não pertencem ao PS ou à sua subsidiária incubadora de reaccionários: a JS e que, portanto, não auferem, sequer, dos proventos da militância das referidas estruturas de ataque aos empregos estatais. Tive acesso à opinião das ditas criaturas porque tive a péssima ideia de, pela manhã, perder algum tempo a ver o "Opinião Pública" da Sic Notícias.


A temática sobre a qual os telespectadores se tinham de pronunciar dizia respeito à governação Sócrates (não me recordo, já, muito bem da matéria específica). Imaginei, logo, que me poderia regozijar com algumas afirmações menos abonatórias para o nosso primeiro-ministro e a coisa até nem começou mal, com um professor de 45 anos a comparar José Sócrates a Adolf Hitler. A partir daí, contudo, a situação começou imediatamente a descambar. O seguinte opinador, de 32 anos ou por aí, aplaudiu com grande ênfase aquilo que chamou "as medidas tomadas pelo sr. primeiro-ministro para o combate da crise internacional". Tratava-se de um empresário, certamente um daqueles que com o nosso Estado terá assinado um contrato semelhante àquele do fornecimento dos "Magalhães". Para rematar os enjoos com que esta intervenção já havia contaminado o meu pequeno-almoço, um qualquer reformado, da Covilhã (e isto já diz tudo...), veio também em defesa do "engenheiro de fim-de-semana". Será, com certeza, um dos reformados milionários que não sente o peso dos cortes nas pensões.


Decidi, depois de já ter sido obrigado a confrontar-me com três opiniões do povão português (que é muito mais do que, normalmente, aguento numa semana), desligar o televisor e pôr-me a pensar. Acredito muito na democracia e não tenho a menor dúvida de que Sócrates tem toda a legitimidade para exercer o cargo de administrador principal da coisa pública portuguesa. Mas por que razão, continuou o meu cérebro, infelizmente, a trabalhar, escolhemos para tomar conta do nosso país um cidadão como José Sócrates. Perguntei-me: "escolheríamos, nós, porventura para explicador de matemática do nosso filho alguém que tivesse mentido ostensivamente sobre as suas habilitações académicas e fosse mais do que suspeito de estar envolvido em situações menos bens esclarecidas (digamos...) nas anteriores casas onde havia exercido as suas funções?". Com certeza que não. Então por que continuamos a aturar isto?


É que se ainda se fossemos todos "mulher-de-ministro"...

terça-feira, 15 de março de 2011

Avante, camaradas!



No último sábado tiveram lugar, um pouco por todo o país, mas sobretudo em Lisboa e no Porto, as maiores manifestações populares desde o período revolucionário. Mais de 300 mil pessoas decidiram sair à rua para protestar não apenas contra as actuais condições laborais dos jovens portugueses, mas também contra as actuais condições sociais extremamente negativas em que se encontra imerso o nosso país. A manif. de Sábado teve de interessante o facto de não ter sido convocada, organizada e mobilizada por qualquer organização partidária ou sindical.

Num qualquer programa de análise política, Ricardo Araújo Pereira afirmou considerar que o protesto de dia 12 não tinha uma orientação reivindicativa muito clara e que misturava a luta contra a precariedade laboral com a reivindicação bacoca de meia dúzia de nazi-fascistas e os protestos dos capitalistas que tinham dinheiro investido no BPP. Estas franjas "desalinhadas" eram, contudo, ultra-minoritárias: não chegariam a mil indivíduos em Lisboa (no meio de 200 mil, menos de 0,5%, portanto).

As motivações da manifestação foram sempre muito claras e isso mesmo pôde ser atestado pelas frases que na mesma foram repetidas e pelos cartazes e faixas envergados. Em primeiro lugar, um sinal claro de protesto dos mais jovens (mas também de alguns mais velhos) contra a actual situação do mercado de trabalho e contra os abusos cometidos a este nível pelas empresas e pelo próprio Estado e outras pessoas colectivas públicas. Em segundo lugar, e talvez mais importante, a mostragem de um claro cartão vermelho às políticas de inspiração liberal e de direita do governo Sócrates (e dos seus aliados naturais: PSD). Por fim, a afirmação de uma forte crítica ao actual sistema clientelar de governo da coisa pública nacional.

Tratou-se do maior conjunto de manifestações neste país desde o PREC. O povo teve, finalmente, uma oportunidade para referir que rejeita, claramente, o capitalismo selvagem que tem sido promovido e permitido pelos governos "socialistas" e "sociais-democratas"

sábado, 12 de março de 2011

Números

50% dos eleitores entre os 18 e os 35 anos votaram PS nas últimas eleições legislativas;

39,4% dos eleitores abstiveram-se de votar nas últimas eleições legislativas;

68% da população é contra a apresentação de qualquer moção de censura até ao fim do corrente mandato.



Voltem para casa.