quinta-feira, 11 de novembro de 2010

A Ponte Salazar e a falsa controvérsia sobre a memória histórica.


Começa este pequeno apontamento pela constatação de que, de facto, há, ainda, muito tonto, para dizer o mínimo, habitando este país. Outro dia, numa pesquisa relativa ao meu mestrado que efectuava no google, deparei-me com a existência de um relativamente extenso grupo no facebook que advoga que a Ponte 25 de Abril volte a ter o nome originário: Ponte Salazar. Fiquei interessado em perceber os argumentos desta gente e prossegui um pouco na minha inquirição, acabando por encontrar a petição posta a circular por este grupelho e que, online, conseguiu 149 assinaturas...Enfim, já diz tudo, não?

Justificam, os peticionários, a sua iniciativa com o argumento de que "a verdade Histórica deve ser em qualquer situação, grande preocupação de qualquer povo" e acrescentam que "a omissão de factos, incoerências, desvios à verdade, esquecimentos a prazo, receios ou vergonha da sua História, no caso concreto, do nosso povo, que somos nós e os que antes de nós fizeram História, torna-nos superficiais, descaracteriza-nos como entidade cultural e acima de tudo faz-nos cúmplices da mentira".

Perante tudo isto, sinto-me compelido a avançar algumas "verdades históricas". Em primeiro lugar, não há coisa mais natural, mais humano, mais profundo do que sentirmos vergonha de certos acontecimentos da nossa história. Eu sinto uma vergonha que roça a humilhação quando penso que o meu país foi o maior traficante de escravos que já operou nesta terra. Sinto vergonha de termos sentido que pela força das armas podíamos destruir culturas milenares e forçar a aceitação dos nossos preceitos morais, jurídicos, religiosos e culturais. Sinto vergonha quando penso em todas as pessoas que foram assassinadas nas fogueiras do Santo Ofício por todo o nosso país. E sim, sinto imensa vergonha de toda a história portuguesa que diz respeito ao período do Estado Novo.

Toda esta vergonha que sinto não se traduz no desconhecimento destes factos. Muito pelo contrário. Penso que é sobre estes erros que mais se deve trabalhar, mais se deves estudar, ler, reflectir. Fazer de tudo para que não se repitam. Considero, por outro lado, completamente idiota dignificá-los e celebrá-los permitindo que continuem a constar como denominação de um qualquer monumento.


Por outro lado, o 25 de Abril é o momento histórico fundador do nosso actual regime político. Por que razão é que já era lícito apagar este acontecimento?


Para além disso, eu ainda poderia admitir, por uma razão de justiça histórica, digamos, que a ponte sobre o Tejo mantivesse o nome de Ponte Salazar (que creio, todavia, nunca ter sido, sequer, o nome oficial da dita) se Oliveira Salazar tivesse contribuído, efectivamente, de forma crucial, com forte empenho, para a construção da referida via de comunicação. Não foi, todavia, de todo, aquilo que se passou. Salazar, como sabe qualquer pessoa que tenha um mínimo conhecimento de história contemporânea portuguesa, foi sempre um inimigo visceral de tudo o que cheirasse remotamente a progresso e desenvolvimento como seria construção de uma via de ligação entre as duas margens do Tejo em Lisboa. Já desde 1933 que Duarte Pacheco moía o juízo do Presidente do Conselho com a ideia da construção da ponte, contando sempre com a sua mais veemente oposição. O começo das obras acaba por acontecer, somente, em 1962 e a inauguração da ponte em 1966 (já quase no fim do consulado de Oliveira Salazar).



Considero que seria uma estupidez gigantesca manter na ponte o nome de uma criatura que se revelou o maior obstáculo a qualquer tipo de avanço cultural, científico e tecnológico do nosso país, o que nos legou um atraso de mais de 50 anos em relação à restante Europa ocidental. Atraso do qual, note-se bem, nunca chegámos a recuperar e se conseguimos que não se continuasse a alargar foi unicamente por causa da Revolução do 25 de Abril. Mas isto sou só eu...

25 comentários:

  1. Meu irmão, o meu mais fiel leitor!= P E sim, encontram-se coisas fascinantes no fb.

    ResponderEliminar
  2. Bem eu tive vergonha de ler este texto na minha língua , tive vergonha e fiquei pensativo . É isto a nova geração?

    ResponderEliminar
  3. O 1143 é careca por opção, acertei?

    ResponderEliminar
  4. Pelo seu "nick", 1143, já lhe consigo "tirar a pinta". Será, certamente, aquilo a que se usa chamar um "nacionalista". Provavelmente está extremamente orgulhoso do passado colonial do seu país, rejubila quando pensa nas façanhas de Afonso de Albuquerque, engrandece-se quando pensa na exploração de milhões de africanos durante centenas de anos pelos portugueses. Será, até, por ventura, um entusiasta do dr. Salazar que nos legou um atraso de mais de 60 anos em relação ao resto da Europa. Disto é que se deveria ter vergonha. E, sim, faço parte de uma nova geração portuguesa. Uma geração que não se limita a papaguear a conquista de Tânger ou de Ormuz, a ocupação da Ilha de Socotra ou das colónias africanas, a batalha de Aljubarrota ou o Tratado de Zamora, mas que procura ter uma compreensão mais funda dos fenómenos, que questiona, que não é um autómato, que não aceita tudo. Enfim, que pensa.

    ResponderEliminar
  5. Apelo ao Voto em Branco...

    Para acabar com as politiquices...

    http://www.petiweb.org/

    ResponderEliminar
  6. O voto em branco é estúpido e só ajuda os politiqueiros mais inúteis e incompetentes.

    ResponderEliminar
  7. O Sr.Manuel é uma caricatura rídicula de um sodomita de extrema-esquerda, um pessoa que nem pode e nem deve ser levada a sério. Mas numa coisa sou obrigado a concordar, existe muito idiota por esse mundo fora.
    Mas meu caro se tem vergonha de Portugal, pode-se se ir embora, as fronteiras e aeroportos estão abertos por alguma razão, a Pátria não vai sentir a tua falta, fique descançado. Bem, em relação às calúnias contra o povo português e contra a gloriosa História da nossa ditosa Pátria, só se pode rir, tal calúnias nem valem resposta.
    Agora, de onde tirou esse disparate que o grande Salazar, provocou um atraso de 60 anos em Portugal, foi exactamente o contrário, foi durante o governo desse notável estadista que a economia nacional mais cresceu, mas o 25 de Abril representou uma tragédia para a Pátria Portuguesa, esse golpe de estado feito por capitães traidores é que trouxe muito atraso a Portugal!
    É antes demais, um ajuste de contas com a História e um acto de justiça, repor o nome original na "ponte 25 de Abril".
    Viva Salazar! Viva Portugal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. HÁ MENINOS EM PORTUGAL , NÃO SABEM O NOME DO PRIMEIRO REI DE PORTUGAL ,E PENSAM , PORTUGAL SÓ EXISTE APÓS O 25 ABRIL 74

      Eliminar
  8. Por amor de Deus, como é possivel um jovem renegar á maravilhosa história da sua Pátria!!!!..."ESTA É A DITOSA PÁTRIA MINHA AMADA..." Nunca houviu meu caro?Leia meu caro jovem e acultere-se! è por isso que o nosso País chegou hoje ao estado depravado em que se encontra, sem alma, sem gema,porque a vossa geração é opaca, sem sentimentos, e inculta, sem objectivos..não admira que seja a mais rasca geração de sempre. Um País vai-se construindo ao longo dos séculos com homens e mulheres que em todas as áreas contribuem para a construção de um todo Nacional.São esses homens e mulheres que você com esse estúpido preconceito social-fascista politicoide de esquerda o inibe de pensar humanamente....Se pensar que o comunismo e os seus libertinos ideais causaram no século xx mais de 80 milhões de mortos, fome, miséria, opressão,escravidão,fome,tortura,oligarquismo,humilhação, aí terá algo para reflectir, e depois chegar a conclusão que realmente o Dr.Salazar com todos os seus defeitos e qualidades foi mesmo um génio que livrou Portugal da peste do comunismo, e que ao contrário do que refere( leia, leia, precisa de ler e falar com pessoas de todos os credos e religiões que viveram nessa época)no seu tempo de uma maneira geral houve paz e progresso.A ignorância é a maior inimiga da verdade.

    ResponderEliminar
  9. PONTE SALAZAR - ACTUALMENTE... ERRADAMENTE... E POSSO DIZER MESMO CRIMINOSAMENTE CHAMADA DE PONTE 25 DE ABRIL (SE A MEMÓRIA E O CONHECIMENTO DA HISTÓRIA NÃO ME FALHA, O 25 DE ABRIL NÃO CONSTRUIU NADA...) QUE NOS DIAS DE HOJE CONTINUA A PRESTAR UM INIGUALÁVEL TRABALHO À NAÇÃO E A MILHARES DE PORTUGUESES (INCLUINDO AQUELES QUE APLAUDIRAM E FOMENTARAM TRAIÇÃO DA PÁTRIA).

    FOI CONSTRUÍDA DURANTE O ESTADO NOVO E COM O DINHEIRO DO GRANDE IMPÉRIO PORTUGUÊS, SEM ESMOLAS DE BRUXELAS, FMI E BANCO MUNDIAL. SEM ULTRAPASSAR O ORÇAMENTO PREVISTO EM MILHÕES COMO ACONTECE COM TODAS AS OBRAS NOS ÚLTIMOS 37 ANOS E COM OS ACTUAIS POLÍTICOS "SÉRIOS E COMPETENTES"...

    ResponderEliminar
  10. Anónimo,

    O 25 de Abril construiu quase tudo aquilo de bom que, ainda, subsiste na nossa sociedade, ainda que vilipendiado pelos governos das direitas (PS+PSD+CDS)- segurança social, serviço nacional de saúde, direitos humanos, liberdades políticas, etc, incluindo, os direitos que lhe permitem expressar o tipo de baboseiras saudosistas do dr. Salazar com que brindou o meu blogue.

    Depois, procure informar-se, a partir da libertação do Brasil (e talvez mesmo antes), de grande, o império portugues só tinha a extensão e a hipocrisia. De resto, estávamos ultra-dependentes, designadamente, da Inglaterr, dos EUA e da exploração de um povo que, na sua maioria, nem tinha com que alimentar os filhos.

    Aconselho-o, vivamente, a procurar informar-se melhor antes de aqui vir enodoar um momento fantástico e verdadeiramente modernizador da pátria portuguesa que foi o dia 25 de Abril de 1974, e o movimento de democratização que se lhe seguiu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O 25 de Abril construiu quase tudo aquilo de bom que, ainda, subsiste na nossa sociedade..." Não consigo perceber do que está a falar...

      Eliminar
  11. A ÚNICA COISA QUE O 25 DE ABRIL DE 1974 TROUXE AOS PORTUGUESES FOI A ENTRADA DO FMI EM PORTUGAL E DUAS AJUDAS DO BANCO MUNDIAL (E ALGUMAS ESMOLAS DA UNIÃO EUROPEIA).

    QUANTO AO DR. ANTÓNIO DE OLIVEIRA SALAZAR, POSSO ADIANTAR QUE DEU À PÁTRIA UM CRESCIMENTO DE 7% AO ANO CONSECUTIVO DESDE 1930 A 1968. SENDO O ÚNICO PAÍS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE A CONSEGUI-LO. ATÉ A CHINA COM UMA POPULAÇÃO 1300 MIL MILHOES (DOS QUAIS 200 MILHOES DE MULTIMILIONÁRIOS) AINDA NÃO ALCANÇOU O FEITO.

    POR OUTRO LADO DEIXOU UMA RESERVA DE OURO NO BANCO DE PORTUGAL QUE ACTUALMENTE REPRESENTA 17% DO PIB PORTUGUES E ESSA SIM É UMA DAS GARANTIAS QUE O DR. PEDRO PASSOS COELHO (PESSOA POR QUEM NUTRO UMA GRANDE ADMIRAÇÃO E CONSIDERO UM HOMEM DA VELHA GUARDA)PODE USAR PARA NEGOCIAR O BURACO FINANCEIRO DO 25 DE ABRIL. MAS ATENÇÃO, QUE SE O DR. SALAZAR NÃO TIVESSE DEIXADO UMA NORMATIVA INTERNA NO BdP IMPEDINDO A VENDA OU UTILIZAÇÃO DO OURO O MESMO JÁ NÃO EXISTIRIA... MAS ENFIM, A UTILIZAÇÃO DESSE OURO (COMO GARANTIA) NOS MERCADOS FINANCEIROS REDE EM CONTRATOS PIP AO GOVERNO PORTUGUÊS "UNS MÍSEROS" 200 MILHÕES DE EUROS ANUAIS. FAZENDO AS CONTAS DESDE 1968 A 2012 (44 ANOS) O SR DR. ANTÓNIO DE OLIVEIRA SALAZAR MESMO DEPOIS DE MORTO (TAL COMO OS SENHORES O GOSTAM DE VER) AINDA BRINDOU A PÁTRIA COM 8800 MIL MILHOES DE EUROS. DINHEIRO ESSE ESBANJADO E "BEM GASTO" PELOS INTELIGENTES POLITICOS PÓS 25 DE ABRIL!

    AFINAL DE CONTAS QUEM ERA LADRÃO? QUEM ERA CORRUPTO? QUEM LIVROU PORTUGAL DA II GUERRA MUNDIAL? QUAL FOI O PAÍS NO MUNDO QUE CONSTRUIU A MAIOR BARRAGEM? QUEM FOI O PAIS QUE CONSTRUIU MAIS CIDADES DE RAIZ PELO MUNDO? QUEM CRIOU AS CAIXAS DE PROVIDENCIA E CASA DO POVO QUE O 25 DE ABRIL CHAMA DE SEGURANÇA SOCIAL? QUEM FEZ OS PRIMEIROS BAIRROS SOCIAIS PARA ALOJAR PORTUGUESES SEM CASA (E NÃO ESTRANGEIROS QUE RECLAMAM UMA CASA QUANDO OS PORTUGUESES DORMEM NA RUA EM CIMA DE UM CARTÃO)? QUEM CRIOU EM PORTUGAL A REDE DE ESCOLAS PRIMÁRIAS ESPALHADAS PELO PAÍS ONDE TODOS NÓS ESTUDÁMOS? QUEM CRIOU OS MAIORES HOSPITAIS ESCOLA COMO O SANTA MARIA OU S. JOÃO? QUEM CRIOU A PRIMEIRA TRAVESSIA SOBRE O TEJO (À ALTURA O MAIOR VÃO SUSPENSO DO MUNDO - E NÃO PAGAVA PORTAGEM)?

    MEUS CAROS LEITORES... POSSO PASSAR UMA ETERNIDADE A CITAR EXEMPLOS QUE TODOS CONHECEMOS... MAS NO FIM TODOS ELES TÊM UMA RESPOSTA COMUM!
    PROF. DR. ANTÓNIO DE OLIVEIRA SALAZAR

    POR FAVOR SALAZAR VOLTA! E TIRA-NOS DESTA CRIZE. POIS HA 38 ANOS QUE TRABALHAMOS PARA PAGAR GORDOS JUROS Á FRANÇA, ALEMANHA, FMI, BANCO MUNDIAL.... UE.!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resposta sensata. Salazar entrou numa altura em que a 1ª República tinha caído na rua e o país estava esfrangalhado pelos políticos que se sucederam à queda da monarquia. Salazar morreu pobre e é bom lembrar isto face à rapina que se tem verificado e que envolve um 1º ministro, um outro ministro, altas figuras do Estado banca, etc, etc, ao ponto deste país estar transformado num imenso pinhal da Azambuja e de mão estendida à caridade da UE. E ainda há quem se reveja nisto?!

      Eliminar
  12. PEÇO DESCULPA POR TER COLOCADO OS COMENTÁRIOS COMO ANÓNIMO (COMENTÁRIOS SOBRE SALAZAR E PONTE SALAZAR) MAS PARA OS CURIOSOS O MEU NOME É NUNO SILVA. UM BEM HAJA A TODOS OS PORTUGUESES E TODOS AQUELES QUE AMAM A SUA PATRIA.

    ResponderEliminar
  13. Nuno Silva,

    Vamos por partes.

    1 - Como é óbvio, não foram as políticas pelas quais se fez a Revolução de Abril. E é por demais óbvio que, economicamente, no período do ditador Salazar, as potências estrangeiras intervinham, e bastante, na economia portuguesa. Basta pensar no que acontecia, por exemplo, em Moçambique.

    2 - Aquilo que diz sobre o crescimento de 7% do PIB português entre 1938 e 1968 é, no tamanho de letra que gosta de usar, UMA COMPLETA MENTIRA. Se é verdade que nos anos 60 e até ao choque petrolífero de 1973 o crescimento do PIB português se aproximou desse valor, nos anos anteriores esteve muito longe do mesmo. E, até, pelo menos 1947, houve anos de recessão económica.

    Confira (antes de dizer disparates):
    http://www.fd.unl.pt/docentes_docs/ma/RBR_MA_11633.pdf
    e
    http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1221844102D2vWI8rh2Vh99VR7.pdf

    3 - Quanto ao "ouro" de Salazar, muito dele conseguido nas mais hediondas circunstâncias,não foram as normas do ditador que nos impediram de o vender, mas, como é do conhecimento geral (que é uma coisa que, pelo vistos, a si não "lhe assiste"), os países que o guardam (fisicamente), designadamente os EUA.

    4 - O Dr. Passos Coelho, que nunca trabalhou um dia na sua vida, no tempo do ditador que tanto admira, nunca conseguiria ter chegado a lugar nenhum na administração do Estado fascista. Ainda assim, o crápula Salazar não escolhia idiotas completos.

    5 - O restante do seu discurso completamente desconexo e desconhecedor, em absoluto, da História recente de Portugal só me faz pensar que o Nuno se deverá ter esquecido de tomar a medicação.

    Então foi Salazar quem criou a segurança social num país em que se morria de fome? Foi Salazar que livrou Portugal da II Guerra Mundial ou foi uma série de circunstâncias internacionais que nos permitiram fugir ao conflito? E a ponte, como bem sabe, Salazar só a construiu a contra-gosto e várias décadas depois de lhe ter sido sugerido! E a barragem? Presumo que fale de Cahora Bassa...tome juízo, que benefício trouxe aquele projecto megalómano para Moçambique? E para Portugal que lá enterrou várias centenas, senão milhares mesmo, de contos. E acha que no tempo do crápula que admira não havia sem-abrigos? Posso dizer-lhe que, na escola do meu pai, as crianças pediam umas às outras um pedaço de pão pela hora do almoço porque ainda não tinham comido nada todo o dia e não iriam, provavelmente, comer em casa. E Salazar não criou escolas nenhumas. Pelo contrário, foi alegremente destruindo o incipiente sistema educativo construído pela I República, diminuindo os salários dos professores de forma assustadora (ganhavam bastante menos que uma dactilógrafa em começo de vida laboral)...

    E quem criou a sinistra PIDDE? Quem mandou matar inúmeros seres humanos apenas porque defendiam uma ideologia diferente da oficial? Quem criou e manteve mesmo depois da queda de Hitler um dos mais ignóbeis campos de concentração do continente africano? Quem mandou para a morte milhares de portugueses numa guerra completamente idiota? Quem assassinou milhares de africanos, combatentes e simples civis? Quem é, no fundo, o responsável pelos massacres da Baixa do Cassange? do Pidjiguiti? Quem assassinou Humberto Delgado? Quem empobreceu e estupidificou este país?

    Nuno, veja se consegue ter alguma noção daquilo que escreve e, sobretudo, algum respeito pela vida e pelos seres humanos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. vai-te fuder comuna de merda antes de pores-te ai a ladrar aprrende factos. o 25 de abril nao acabou com a ditadura de salazar visto que esta morreu anos antes. o 25 de abril trouxe mais mortes do que a PIDE alguma vez matou. o 25 de abril a a forme de voçes comunas de se aproveitarem de um governo que caminhava para a liberdade, visto que ja havia eleiçoes. em angola milhares morreram pois graças ao 25 de abril os apoiantes angolanos do colonialismo foram todas assassinados pelos rebeldes.

      por isso APRENDE a historia do teu pais e estuda sobre o verão quente, uma epoca onde barba ridades ocorreram neste pais, em que milhares foram roubados sobre o pretexto de serem contra o comunismo

      Eliminar
    2. Caro Nuno,

      É o tipo de linguagem que utiliza que me fez, em tempos, considerar em aplicar a prática de censura de que será, imagino, um adepto incontestável. Afinal, o seu maior adepto em Portugal era o próprio Salazar, que considerava que a maioria dos portugueses não precisavam de saber coisas que estavam "para além do seu entendimento". Não o faço, todavia, porque, em nome da liberdade de expressão de todos, aguento, pacatamente, as suas faltas de respeito.

      O 25 de Abril acabou, efectivamente, com a ditadura de Salazar, na medida em que, e toda a gente sabe isto, mesmo o mais básico dos cultores da História portuguesa, as eleições realizadas por Marcelo Caetano não passaram de uma nova encenação da fantochada salazarista. Para além de que a PIDE e a Censura limitaram-se a mudar de nome, continuando no exercício das mesmíssimas funções.

      Depois, não sei de que mortes fala quando se refere às provocadas pelo 25 de Abril...Será daquelas que resultaram dos disparos da PIDE?

      De facto, por causa da guerra civil angolana, onde o colonialismo assume grandes responsabilidades, muitos foram mortos em Angola depois da independência. A maior parte deles, contudo, não foi de apoiantes angolanos do colonialismo português. Os movimentos de libertação tinham mais com que se preocupar na altura, compreende? O colonialismo português já não era o inimigo. E, acrescento, para seu conhecimento, os chamados "Flechas", tropas de elite africanas utilizadas pela PIDE contra os movimentos de libertação, longe de serem assassinados, foram, devido aos conhecimentos militares transmitidos pela polícia portuguesa, integrados nas forças dos partidos angolanos.

      Sei, exactamente, até por razões académicas aquilo que se passou no Verão Quente de 1975 e, para que saiba, não foi só o Partido Comunista que apoiou, na altura, as nacionalizações e ocupações de terra, mas, por razões de estratégia política, todos os outros partidos - do PS ao CDS, passando pelo PPD/PSD. Nacionalizações que, devido às chorudas indemnizações posteriores, muito dificilmente poderão ser classificadas como roubos.

      PS: não sou comunista, mas também entendo que não consiga compreender as diferentes correntes nascidas do marsxismo.

      Eliminar
  14. O Sr. que escreveu este txto precisa de pesquisar sobre a verdadeiros objectives e a razão pela qual os Cãopitães de Abril fizeram o 25. Provavelmente o 25 até poderá não ter sido mau de todo, mas é uma grande vergonha que os ilustres não tivessem pensado no 26…
    O Dr. Salazar poderá ter sido o pior (a seu entender) dos governantes, mas há um feito que a nenhum dos “patriotas” que se apressaram a regressar à patria amada??? (mesmo depois de espezinharem a Bandeira Portuguesa, escarnearem e denegrirem a nação) pode ser atribuido. E sabe ao que feito me refiro? Penso que nao deve saber porque da para perceber que a sua mente esta enevoada com as belas ideias do maravilhoso socialismo onde os Gulag e os assassinios são perfeitamente justificaveis tal como dizia Che Guevara, o mais democrata dos democratas, “esta e a revolução para libertar o povo e todos os que não concordam com a nossa revolução devem morrer…” mas que democracia maravilhosa.
    Pois refiro-me ao feito unico de ter sido o unico politico que serviu o país e não se serviu do país, foi o unico que pagava renda de casa, foi o unico que nasceu pobre e morreu mais pobre ainda. Só por isto o Sr. devia ter mais respeito e e adoptar uma postura de firme reverencia sempre que pensa, quanto mais quando escreve sobre o Homem que deu tudo por Portugal.
    Não sei o quanto sabe sobre a historia do antes e do pós 25 de Abril para dizer tamanha parvoice quando menciona que o Dr. Salazar não queria nem o progresso nem a prosperidade de Portugal.
    Penso então que me incumbe salva-lo de tal ignorancia e ilucida-lo sobre os verdadeiros factos:
    Fique então sabendo que:
    A nossa agricultura era suficiente para o sustento da nossa nação durante a o Estedo Novo.
    Os iluminados do 25 fizeram o especial favor de a destruir completamente com a vergonhosa reforma agraria, e hoje estamos a pagar um preço bem alto port al libertação da terra…
    A nossa industria contava com fabricas das mais variadas, as quais foram nacionalizadas pelos inergumes… e hoje? O que temos?
    Saiba que havia em Portugal fabricas de camiões, de tractors agriculas, fabricas de conservas, etc, etc… Hoje terá que vasculhar muito para encontrar uma Autoeuropa e pouco mais.
    Permita-me que lhe pergunte agora se tem alguma consciencia do que aconteceu aos Portugueses que viviam nas provincias ultramarinas.
    Será que os espantalhos que vieram fardados montados nos tanques para a grande invasão de Lisboa se lembraram de salvaguardar os interesses dos cidadãos que viviam no ultramar.
    que bela noção de patriotism e libertação dos povos “oprimidos” que foram entregues aos mais iguais para serem chassinados e ainda hoje sofrerem na pele aquilo que nunca sofreram enquanto os “opressores” governaram tais longinquas terras.

    Bom, por agora acho que chega, até porque me causa nauseas em saber como se sabe tão pouco do país em que vivemos.
    Deixe-me dar-lhe apenas um conselho. “Procure mais factos historicos e menos estorias, procure os factos em varios manuais, não apenas nos livros vermelhos com estrelas, martelinhos e foices amarelas porque ainda podemos correr o risco de querer invadir por aí algum pedaço de terra como está a acontecer na Crimeia que esta a ser democraticamente retomada…

    ResponderEliminar
  15. Mudam os moscardos mas a trampa é a mesma ou pior.
    O facto é que Oliveira Salazar sempre se opôes ao despezismo da ponte sobre o Tejo. Quantos às teorias sobre o 25 de Abril, acrescento mais uma:
    Acham que os E.U.A ou a U.S.S.R. iam permitir a Portugal tartar do petróleo de Angola?. Estava tudo em andamento; Lisnave, Stenave e o "Complexo de Sines"!
    Achavam mesmo??!!!

    ResponderEliminar
  16. Ver os acontecimentos da história fora do seu contexto leva sempre a interpretações que se desviam da realidade... do antes e do pós 25 de abril deste e dos outros séculos. Julgar os acontecimentos para aprender com eles é útil. Julgar pátrias e povos atuais pelos acontecimentos passados de que os atuais cidadãos nao foram os responsáveis é inútil! Aprender com o passado vale a pena procurar vindicta não (acabariamos olho por olho todos cegos) da pior cegueira que existe que é a de nao se qerer ver.

    ResponderEliminar
  17. ah! tambem podem acreditar que a história foi feita por homens que fizeram (quantas vezes o mesmo protagonista) coisas heroicas, hediondas, boas, más...
    Heróis e vilões é nos romances...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. homens lato senso para nao me acusarem de sexismo esclareço desde já que me refiro a homens e mulheres

      Eliminar
  18. Sr Manel,

    A História só muito raramente e pontualmente coincide com as várias realidades de que a mesma é composta, nada mais se trata de uma descrição que é impossível de documentar, tal a dimensão das inúmeras interações durante o período a que ela se refere. Ainda assim ela é sujeita a interpretações diferentes por quem as escreve, que têm crenças, convicções e opiniões naturalmente moldadas pelo seu habitat. Ora, todos nós diariamente tomamos decisões irrefletidas, inconscientemente, pois as assumimos como crenças ou até mesmo convicções e por isso para nós representam a verdade em que baseamos a nossa ideologia para escrever História ou para outra qualquer ação, decisão que necessitamos de por em prática. Mas isto é só o nosso mundo, que mesmo moldado por muitos e muitos anos de aperfeiçoamento, a pouco mais nos leva a concluir que nada sabemos, que mais não passamos de um simples grão de areia neste enorme Planeta ou ainda mais insignificante comparado com outras grandezas como o Universo.

    Eu compreendo quando fala na vergonha que sente sobre os nossos antepassados terem traficado escravos e etc... Mas isso só revela a ignorância generalizada que tomou conta deste nosso país de nascença, e que para nos justificarmos com tanto acerto como qualquer outro ser semelhante é me mais fácil dizer que um vírus infetou todos aqui em ex- terras de Sua Majestade. É claro uma forma simplista e suficientemente enfática que a maioria consegue entender com relativa facilidade. No passado usei expressões semelhantes para mostrar aos meus compatriotas que não gostava do que nos tínhamos tornado enquanto civilização.
    Hoje com mais conhecimentos que no passado posso afirmar que não é será a forma mais eficaz de comunicar, assim como agora com 51 a caminho dos 52 tive a possibilidade de presenciar o habitat que era Lisboa antes e após o Estado Novo, e cada vez somos menos os que não vão deixar passar em branco a tentativa frustrada que alguém tem tido de desvalorizar aquilo que foi Portugal nesse espaço temporal. Não posso como é óbvio falar sobre o que pensava Salazar ou qualquer outra pessoa, ninguém nunca saberá, mas sei, que embora os meus 9 anos não me fornecessem experiências suficientes para falar com maior entendimento sobre esse período, recordo com saudade esse belo tempo em que os portugueses tinham trabalho e das ruas fervilhando de pessoas como de formigas se tratassem. Infelizmente esse tempo maravilhoso foi definhando à medida que as forças estrangeiras conseguiram através da ganância (é importante conhecer as implicações que levam à ganância para a entender o quero dizer) de alguns dos nossos compatriotas atingir os seus objetivos geo políticos.
    É importante compreender também o espaço temporal em que decorre o Estado Novo para saber quais as guerras geo politicas travadas à altura.

    ResponderEliminar