segunda-feira, 6 de setembro de 2010

A discriminação da saúde mental.




aqui falei da discriminação a que está sujeita a doença mental em Portugal. Penso, todavia, não ser só na doença que existe estigmatização e preconceito, mas, igualmente (e, quem sabe, com mais força) na saúde mental. Passo a explicar. Não é possível que uma pessoa passe, nos dias de hoje e nos "países desenvolvidos" como o nosso, sem consultar (regularmente, até) um oftalmologista, um ginecologista, um urologista, um dentista, um cardiologista, enfim, um qualquer médico das áreas que dizem respeito ao "corpo" (aqui utilizado por oposição a cabeça, mente).


Todavia, a maior parte das pessoas nasce, cresce e morre sem, sequer por uma vez, ter sido examinada por um especialista da área da saúde mental (psiquiatras, psicólogos, psicanalistas, etc; também designados popularmente pela carinhosa expressão de "médicos de malucos"). Pela mazela mínima numa perna ou num braço acorremos como doidos às caóticas urgências deste país. Achamos, contudo, perfeitamente natural não conseguir manter um relacionamento que dure mais de uma noite, termos uma necessidade louca de gritar com o nosso companheiro(a), não usufruirmos de qualquer tipo de prazer sexual ou sofrer de ansiedade generalizada.


Mas, afinal, o psi- é o "médico dos loucos" e recorrer a esse tipo de profissionais é para os fracos. Não é?

2 comentários:

  1. Só para não dizeres que eu não visito o teu blog :) Os teus textos, e sobretudo as ideias que colocas neles, são muito bons. Keep going with that * Andreia

    ResponderEliminar
  2. Fico contente por gostares. = ). Volta sempre!

    Beijinhos miúda!

    ResponderEliminar