domingo, 15 de agosto de 2010

O "mundo gay".





Por vezes, sobretudo em sites/chats de encontro pouco recomendáveis (é bem provável que num post próximo explique por que razão os considero de evitar) , é comum encontrar-se descrições pessoais que incluem a seguinte expressão: "gajo, tal e tal, fora do mundo gay". Sempre me intrigou a expressão e várias são as causas da intriga. Em primeiro lugar, tenho alguma dificuldade em definir aquilo que se entenderá por "mundo gay". É-me, sobretudo, difícil entender de que forma é que pessoas que dizem não pertencer a um determinando ambiente/conjunto de pessoas/cultura o conseguem delimitar tão bem, ao ponto de poderem afirmar com segurança dele não fazerem parte.


Por outro lado, qualquer que seja o entendimento que se tem das coisas que estão incluídas no "mundo gay", sites como manhunt, gaydar e etc estão lá seguramente. Poria as partes mais sensíveis do meu corpo, os meus olhos, no fogo, apostando não existir nenhum gay português que nunca tenha dado, pelo menos por curiosidade, uma espreitadela nos referidos portais. Assim sendo, a frequência das respectivas páginas tem de ser vista, obviamente, como uma das práticas do chamado "mundo gay", estando, desta forma, os seus praticantes incluídos no universo a que rejeitam pertencer. Uma contradição muito mais aparente do que efectiva.



Claro que todos sabemos a que se referem estas pessoas quando falam do "mundo gay". Referem-se, provavelmente, a uma certa maneira de vestir (mais feminina? mais avant-guarde?), à frequência de certos espaços de diversão nocturna, ao estabelecimento de um certo tipo de relacionamentos, etc. Por várias razões, para alguns, isto ainda é visto de uma forma negativa. Não percebem estas gentes que o pior do "mundo gay" são exactamente aquelas práticas que prosseguem: a sordidez dos encontros combinados pela net, o pseudo straight acting, os relacionamentos escondidos...Não percebem que estão muito mais dentro desse universo do que aquilo que pensam, e que estão, precisamente, na pior parte do mesmo.

Sem comentários:

Enviar um comentário