sábado, 28 de agosto de 2010

Anatomia da traição.






As relações (afectivas - namoros, casamentos, etc.) duram muitíssimo menos tempo do que em tempos passados. É um facto que a emancipação da mulher permitiu que, na maior parte dos casos, a dependência económica feminina deixasse de ser um entrave à separação, permitindo que o vínculo entre o casal se fragilizasse pela perda da componente financeira. Ficavam, assim, homem e mulher (porque, nestes tempos de que agora se fala, as relações homossexuais eram, absolutamente, residuais) numa paridade relativa que permitia ao elemento do sexo feminino decidir, igualmente, do fim da relação.





Considero, todavia, que, nos dias de hoje, a inexistência de relações duradouras como as de outrora tem que ver, igualmente, com alguns factores adicionais. Um deles relaciona-se, creio, com a crescente valorização de um certo tipo de monogamia, exclusividade e posse. Em tempos que já lá vão, a fidelidade, apesar de apanágio de uma sociedade católica que se prezasse, não tinha de passar do mundo da aparência. Desde que tudo parecesse conforme aos padrões de comportamento social da altura (o homem casava com uma rapariga virgem de condição social semelhante, os pais escolhiam ou tinham muito a dizer na escolha do par dos filhos, o casamento era indissolúvel, etc.), aquilo que depois era feito era, cumpridas, obviamente, algumas condições, perfeitamente aceite.



Assim, sobretudo nas classes mais favorecidas, era perfeitamente normal os homens terem amantes. Até porque a "sereníssima esposa" não servia para aplacar os desejos sexuais do marido, mas somente para ser mãe dos filhos. Uma esposa não se rebaixava ao cumprimento dessa função. Ainda na alta sociedade (e já não no seio das classes mais baixas), era, igualmente, comum as senhoras terem amantes (normalmente mais jovens) com quem se entretinham. E marido e mulher (mas sobretudo esta) aceitavam (ou eram obrigados a aceitar) as "escapadelas" dos companheiros.



Hoje, a ideia de um certo tipo de verdade, da monogamia, da exclusividade, foi passando da teoria para uma prática obrigatória. Os affaires são cada vez mais mal vistos e quem é traído tem de arcar com sentimentos de vergonha e humilhação. É o "corno", o fraco, etc. A confiança é criada, não pela honestidade, mas pela posse. E quantas relações não ficam destruídas pela prossecução deste tipo de sentimentos, por um ciúme, as mais das vezes, irracional.

E quantas relações belíssimas não foram, ja, salvas por uma "traição"?


2 comentários:

  1. talvez a monogamia não seja mesmo solução para a raça humana... (teoria menos romantica e mais deprimente pramim)

    ResponderEliminar
  2. Talvez não seja, pelo menos uma monogamia "plena"...Talvez tenhamos de nos ficar prla tal "monogamia em série" de que falava o outro...bah...

    ResponderEliminar