sábado, 29 de maio de 2010

Quem passa a votar Cavaco sou eu!




Nos últimos dias, em movimento que começou logo após Cavaco Silva ter declarado promulgar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, uns quantos tontos vieram a público criticar a atitude do PR, porque, resumindo, não terá sido suficientemente homófoba. Criticam-no, ao mesmo tempo, por não se ter regido por princípios e por não ter agido com suficiente calculismo político. Entre "vómitos" e outras reacções alérgicas à decisão de Cavaco, agoiram a reeleição do actual Presidente da República, afirmando "católicos" e outros "césares das neves" que estão a ponderar, seriamente, não votar Cavaco.


A comunicação social, na habitual, perdoem-me a expressão, estupidez que vem marcando o sector, foi, até, ouvir Santana Lopes, como se a opinião da "má moeda" (lembram-se?) conta-se alguma coisa quando o tema é Cavaco Silva. Outros, igualmente desprovidos do mínimo conhecimento político, avançam a possibilidade de surgir um outro candidato à direita (como se fosse possível encontrar um candidato mais conservador que Cavaco...).


A verdade é que Cavaco fez tudo o que pôde para impedir o casamento gay, chegando a recorrer ao TC. Toda a gente sabe que agora estava obrigado a promulgar. Ainda que não o fizesse agora, daqui a duas semanas seria obrigado a fazê-lo pela maioria de "esquerda" que domina a actual composição da AR. Cavaco Silva fez aquilo que essa corja, agora ultra-crítica, andava a pedir desde que se começou a falar do alargamento do instituto às PMS: despachou a "coisa", para nos podermos centrar nos problemas da economia nacional.


O que queriam mais? E que hipóteses têm? Vão votar Alegre? É que não sei se já se apaerceberam, mas os votos nulos, brancos e as abstenções (pela forma como certamente decorrerão as presidenciais) só irão beneficiar Cavaco. Eu começo é a considerar que se aparece mais uma dessas criaturas a dizer que já não vota Cavaco Silva, quem passa a votar no senhor sou eu!

6 comentários:

  1. Na mouche! Penso exactamento o mesmo, Manel. ;)

    ResponderEliminar
  2. E mais te digo, meu caro R.. Aparecendo um candidato à direita de Cavaco, propulsionado por esta questão da promulgação do casamento entre PMS, eu engolirei todos os sapos e, na primeira volta, voto Cavaco Silva!!

    ResponderEliminar
  3. Mas não precisas de votar na primeira volta. Isso é estúpido, até.

    Havendo 1 candidato mais à direita de Cavaco, ele nunca conseguira 50% na primeira volta. Assim, caso Cavaco não consiga esses 50%, vamos a segunda volta. Se o candidato mais à direita e Cavaco forem os 2 mais votados na 1ª volta, vão os dois à segunda volta e aí sim, vota-se Cavaco, mas porque passa a ser o candidato mais à esquerda. Na primeira devemos votar noutro candidato para ver se aparece um candidato de esquerda na 2ª volta e se o mais direita fica em 3º lugar ou mais abaixo. Caso contrário estamos a tirar a oportunidade de haver candidatos de esquerda na 2ª volta. Com Cavaco não precisamos de nos preocupar, ele nunca perderá na 1ª volta, nem nunca será menos do que o 2º candidato mais votado.

    ResponderEliminar
  4. Não há nenhuma possibilidade de um eventual candidato à direita de Cavaco ser o 2º. mais votado. Assim, a haver segunda volta, será entre Cavaco e o candidato da esquerda (Alegre, certamente) e, aí, votar Cavaco seria dar a vitória à direita. Uma tomada de posição da minha parte contra os sectores mais reaccionários so poderia ter lugar numa primeira volta.

    ResponderEliminar
  5. Mas se votares Cavaco na 1ª volta podes estar a dar-lhe maioria e eleição logo à 1ª, eliminando todas as hipóteses da esquerda.

    ResponderEliminar
  6. Ainda que todos nós desejemos intensamente uma vitória da esquerda em Janeiro do próximo ano, creio que, com ou sem o meu voto, Cavaco ganha à primeira, talvez com mais de 60% dos votos...

    ResponderEliminar