domingo, 2 de maio de 2010

O socialismo e a gaveta.




Foi já assinado o acordo entre o governo grego, a UE e o FMI para "salvar" a Grécia da falência. O maior esforço irá recair, como sempre, sobre a cidadão comum e, sobretudo, sobre aqueles que estão "mais à mão": os funcionários públicos (que perdem os subsídios de Natal e de Férias). Apesar das "garantias" de Durão Barroso, basta ter dois dedos de testa para perceber as similitudes entre as economias grega e portuguesa, a miséria que se vem alargando às classes médias e o estado calamitoso das finanças públicas.

Cavaco Silva, sempre com o mesmo discurso extremamente vago, vem, novamente, alertar para os problemas do desemprego e da queda da economia nacional. Sócrates, que parece ter sido o único que não se apercebeu do estado lastimável do país que governa, ignora olimpicamente os "recados" presidenciais e considera que Portugal tem capacidade de construir um novo aeroporto, auto-estradas e o TGV. E o povo mais simples a ter de arcar com todas as depesas desta megalomania.

A acrescentar a todas estas injustiças, veio a público a notícia de que os Presidentes das empresas do PSI-20 receberam 22,6 milhões de euros em 2009. Umas poucas dezenas recebm anualmente mais de 20 milhões de euros, ignorando o clamor de justiça deste povo acorrentado na pobreza. Perante tamanha injustiça, parece-me que o socialismo está pronto para sair daquela gaveta onde em 76 foi metido. Volta que estás perdoado, pensará, certamente, o povo mais simples. E tremerão os patrões e, na cada vez mais popular expressão marxista, o "grande capital".

5 comentários:

  1. O país não tem capacidade para o TGV e para o novo aeroporto, mas são coisas indispensáveis para nos ligarmos à Europa!

    ResponderEliminar
  2. O que nos ligava à Europa era termos as pessoas com um nível de vida idêntico, a inexistência de uma miséria abundante, corrupção endémica e governantes competentes.

    ResponderEliminar
  3. Ao menos Portugal não aldraba a sua situação económica, e nem diz que está muito bem quando está atolado de dívidas, como a Grécia!

    ResponderEliminar
  4. Ai não? Então só gostava de saber onde vai buscar os mais de 2.000 milhões de euros para emprestar aos gregos. Olhem, voltem as nacionalizações que é para depois privatizarmos tudo novamente. = )

    ResponderEliminar
  5. Vai pedir emprestado. E não deve ser o único, nem sei como é que os gregos são da união europeia. São uma escumalha, só dão é trabalho.

    ResponderEliminar