quinta-feira, 27 de maio de 2010

A consciência: Soares, Savimbi e Mobutu.






Mário Soares "acha" que não apoiará Manuel Alegre nas próximas presidenciais. Estas declarações não nos trazem nenhuma novidade, na medida em que, apesar daquele ar de avozinho bonacheirão, participante em eleições por desporto e pelo gosto pela competição saudável, ficou incrivelmente melindrado pela forma como foi cilindrado por Cavaco Silva e, sobretudo, por ter ficado 7 (!!) pontos percentuais abaixo de Manuel Alegre.



Foi desta forma que lançou Fernando Nobre na corrida como forma de fracturar a esquerda e pressionar o PS (que está, obviamente, interessado na vitória de Cavaco Silva, pelas razões da "estabilidade" e do aproveitamento de todos os expedientes que o actual PR tem utilizado para não fazer absolutamente nada no que toca à responsabilização do primeiro-ministro pelo estado do país) a escolher outro candidato que não Manuel Alegre.



Entretanto, Soares justifica a "decisão" com base na sua "consciência". Uma "consciência" que sempre esteve tranquila quando se tratava de realizar as conhecidas "negociatas" com o facínora Jonas Savimbi ou estabelecer uma íntima amizade (e apoio institucional) com um dos mais brutais ditadores que o continente africano já conheceu: Mobutu. Enfim, e depois é este senhor considerado o "pai da democracia portuguesa"...



Notícias: i, Público.

Sem comentários:

Enviar um comentário