sexta-feira, 30 de abril de 2010

O país real.




Soube, hoje, de fonte que considero relativamente credível, que um número bastante elevado de sem-abrigo, bem como de prostitut@s, da cidade de Lisboa andam a ser intimidados (com ameaça do emprego da violência física ou da denúncia ao SEF) para não se mostrarem nas suas actividades “degradantes” enquanto decorrer a visita de Bento XVI à nossa solarenga (afinal, S. Pedro também foi Papa) e piedosa capital.

Logo me lembrei, logicamente, das velhas práticas salazaristas de internar tudo quanto cheirasse a indigente, e mesmo o que não cheirava, mas era igualmente incómodo (como os homossexuais pobres e os “malucos”), em várias instituições devidamente preparadas para o efeito, de que a mais conhecida era o sinistro Albergue da Mitra. Claro que a prática teve sempre um efeito que nunca passou de cosmético, na medida em que a pobreza confrangedora deste país fazia com que a mendicidade, mas também a prostituição, fossem as únicas formas de vida viáveis para um grande número de portugueses.

Hoje, continuam imperando na nossa católica cidade, e convém escondê-las para não dar má imagem. É que um Papa extremamente humano como Bento XVI pode não ficar, minimamente, chocado com os inúmeros relatos de abusos sexuais de menores cometidos pelo clero que lhe iam chegando aos santíssimos ouvidos, mas ficaria, pela certa, bastante mal impressionado se andassem por ai à solta esses indivíduos sem tecto, sujos e que dão um péssimo aspecto à nova Praça do Comércio, especialmente preparada para a recepção do Sumo Pontífice.

Enfim, que a maioria dos católicas já se esqueceu, há muito, do exemplo de Cristo não é segredo para ninguém. (Cristo teria sido o primeiro a aceitar um casal homossexual). Agora que nem sequer recordem factos históricos como o de Jesus, quando entrava numa cidade, ser imediatamente rodeado pelo “pior tipo de gente”, a mais miserável e doente, na qual se incluíam inúmeras prostitutas, certamente, já entra no campo da mais completa ignorância.

Olhem, só tenho pena é que o Albergue da Mitra já tenha deixado de exercer as suas ancestrais funções. O jeito que agora não daria para “arrumar” essa gentalha! Enfim..Viva Portugal! Viva a PSP! Viva o Papa! Viva Salazar!
(E olhem, ao menos o país fica mais "bonito" para as tolerências de ponto!)

3 comentários:

  1. Desculpa lá, mas acho que bem que se faça um esforço para uma personalidade qualquer se ir embora de Portugal com uma mínima boa impressão.

    ResponderEliminar
  2. Pois é, como o Dalai Lama, que nem sequer foi recebido oficialmente. Uma coisa é receber condignamente, outra completamente diferente é uma bajulação completamente idiota a um líder completamente desacreditado...

    ResponderEliminar
  3. Tenho pena do Dalai Lama. E acho parvo que a China pressione os outros países para não o receberem oficialmente. Chineses, mais uma escumalha para juntar aos gregos.

    ResponderEliminar