domingo, 25 de abril de 2010

25 de Abril sempre, Cavaco nunca mais!







"25 de Abril sempre, Cavaco nunca mais!" Foi este o slogan alternativo que, um pouco por todo o lado, se ouviu na Marcha do 25 de Abril. E porquê, se ainda de manhã Cavaco Silva havia feito um discurso perante a Assembleia da República em que lembrava os valores da democracia e liberdade trazidos por Abril? Porque a democracia e o 25 de Abril (que permitiu que Portugal a abraçasse) são património e um produto da esquerda (razão pela qual os partidos de direita não consideram a manifestação do 25 de Abril suficientemente digna para estarem representados).

As conquistas de Abril são, efectivamente, antigas reinvindicações da esquerda (salário mínimo, a "terra para quem a trabalha", educação gratuita e universal, sistema nacional de saúde alargado, regulação do capitalismo selvagem). Exigências essas que a reacção tem, sempre, tentado, e conseguido, atacar e fazer diminuir. É esta a razão pela qual não há um único partido, organização, colectivo (e pessoa?) de direita que se encontre representado na manifestação em que se celebra esse dia glorioso em que Portugal se libertou do odioso jugo de Salazar (que era, em boa verdade, que continuava governando a partir da cova de Santa Comba).

É por tudo isto que se gritava "Cavaco nunca mais!". Quem preza os valore da justiça e igualdade social não pode, nunca, aceitar uma política de direita. Claro que num clima de crise, provocada, paradoxalmente, pela desregulação da economia que a direita pretende, os valores reaccionários são mais apetecíveis. Quando há pouco para todos, o individualismo impera e esquece-se esse valor da "fraternité" (fraternidade, solidariedade).


Todavia, todos aqueles que verdadeira e genuinamente defendem os valores de Abril, não esquecem que "o povo unido jamais será vencido" e que se vencemos 40 anos de opressão fascista, todos juntos, venceremos, igualmente, a opressão do desemprego, da discriminação, da injustiça e desigualdade social.


Viva o 25 de Abril! Abaixo a reacção!
Vídeo da manif, aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário