segunda-feira, 22 de março de 2010

O arrependimento e a motivação do fanatismo.




O arrependimento é talvez o sentimento humano mais poderoso. A sua importância advém do facto de ser, em princípio e na maioria das pessoas, um sentimento permanente e poder ter manifestações de carácter particularmente negativo. A mairia de nós lida com o arrependimento com negação ("não me arrependo de nada!") ou com uma mistura de sentimento de culpa e promessas de mudança.

Há, todavia, aqueles cujo o grau de arrependimento com as más decisões é tão elevado que se sentem na obrigação de modificar não só os próprios comportamentos, como também a vida daqueles que os rodeiam. Tudo sempre com o prezável objectivo de impedir que aconteça a outrem aquilo que lhes perturba, ainda hoje, os dias. Provavelmente sem querer, estas pessoas são muitíssimo perigosas, na medida em que as suas acções tem uma motivação punitiva e expiatória: o auto-castigo (pelas más acções do passado que cumpre expiar) e a luta contra todas "devassidões" da sociedade actual.

Em muitos casos, estas acções são levadas a cabo através da criação ou alistamento em grupos religiosos (na maior parte dos casos) radicais. David Grisham, um habitante de Amarillo, Texas, pertence lidera um desses grupos que se auto-intitula "O Exército de Deus". "Os nossos alvos são todos os lugares associados ao sexo, bruxaria, paganismo, ocultismo e falsas religiões... Tudo o que é imoral e não é cristão", diz Grisham. Assim, bares gays, clubes de swing e de strip-tease, sex-shops, grupos de conservação da natureza, organizações pacifistas, clínicas de planeamento familiar, clubes de astronomia ou gabinetes de astrólogas e cartomantes são regularmente incomodados pelo grupo de Amarillo.

O líder deste conjunto para-religioso, reconhece que no passado foi um "fornicador e adúltero" e que ouvia rock. Sente-se extremamente arrependido dos erros cometidoa até há 8 anos (quando descobriu Cristo) e que o fazim estar submerso numa "existência escatológica". Agora, entretém-se a fazer a vida negra a imigrantes, homossexuais e casais interraciais, tudo em nome daquilo que é cristão e moralmente válido.


Podíamos pensar que Grisham é só completamente doido e isso era mais fácil. Convém, contudo, perceber as razões profundas do fanatismo deste texano, aquilo que lhe dá a força que tem, na medida em que o número de pessoas comprometidas com o movimento é, relativamente, reduzido. David Grisham, tal como todas as pessoas que estão interiormente comprometidas com a mudança dos estilos de vida de outros (de que os marchantes lisboetas contra o casamento gay são um exemplo claro), são perigoso porque a luta que empreendem contra "os outros" é, no fundo, o espelho de uma luta interior que se esforçam todos os dias para não perder.


A insegurança da "queda na tentação" faz com que demonizem outras formas de encarar a existência e que tenham pavor de tudo quanto se aproxime de uma ideia de liberdade. É o médio e não o ódio, a ignorânica, o desconhecimento ou a desconfiança que os movem. São assustadoramente fiéis às suas crenças e porque lutam contra eles próprios, a sua derrota implica a eliminação pessoal.

2 comentários:

  1. David Grisham, tal como todas as pessoas que estão interiormente comprometidas com a mudança dos estilos de vida de outros.são perigoso porque a luta que empreendem contra "os outros" é, no fundo, o espelho de uma luta interior que se esforçam todos os dias para não perder. respetio seu pensamento, mas acho que nao é correito ou verdadeiro, a motivacao de todo cristao verdadeiro de coraçao é muito diferente ou tal vez oposta a o seu pensamento. uma pessoa que procura ajudar as pessoas viver cristianamente é fundamentalmente nao por algo no interior deles e demais mas principalmente porque Jesuscristo morreu na cruz para perdoar todos os estilos de vida errados e resucitou para dar um novo e completo estilo de vida as pessoas, isto é uma verdade que esta fora do crente e a motivacao do que se torna crente para mudar as outras vidas nao tem nada ver com o proprio interior deles mas com um acontecimento na historia. essa e a realidade.

    ResponderEliminar
  2. acrescentando algo, se um cristao nao conseguir o objetivo de mudar outrem, creiame essa pessoa nao vai se sentir frustrada porque esta pessoa cre que quem obra o poder de arrependimento nao é o crente mas Deus.

    ResponderEliminar