sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Diz-me com quem andas...




A cada semana que passa, o semanário "Sol" presenteia-nos com mais informações muito pouco simpáticas para o nosso primeiro-ministro. Nas escutas publicadas mais recentemente, é revelada a trama socialista para conseguir o apoio "fervoroso e espontâneo" de Luís Figo pela módica quantia de 250 mil euros. Segundo Marcos Perestrello (um dos boys mais próximos de Sócrates), essa "merda" valeria "muitos subsídios de desemprego". Estava o actual secretário de Estado da Defesa ("jobs for the booys, right?") a pretender dizer que o apoio de Figo valeria, em votos, o mesmo que a atribuição alargada de subsídios de desemprego, mas curiosamente, se pegarmos no valor médio de um desses montantes, também podemos afirmar que esses 250 mil euros valem muitos subsídios.

Luís Figo, que em Espanha nunca deixou de ser conhecido como o pesetero, já veio negar o seu envolvimento nestas negociatas pouco sérias, afirmando ter sido a "título pessoal" que apareceu na campanha socialista. Pois...seria a primeira vez que Figo apareceria numa televisão de forma gratuita e a "título pessoal", mas para tudo há uma primeira vez.

Entretanto, na comissão parlamentar de Ética, Armando Vara desmentiu qualquer envolvimento de Sócrates nas maquinações que agora vieram a público sobre a tentativa de controlo da TVI através da PT. O homem que obteve uma pós-graduação antes de ser licenciado e que se licenciou 3 dias antes de entrar para Administrador da Caixa Geral de Depósitos em Relações Internacionais, naquela que pode já ser considerada a Universidade do regime (a extinta Universidade Independente), vem, assim, afirmar que as escutas que o "Sol" publicou são falsas, na medida em que naquelas afirma claramente que Sócrates estava a par das negociatas.

Enfim, ninguém tem dúvidas acerca da veracidade das escutas, até porque os processos e as afirmações que já foram proferidas contra o semanário que as publicou vão sempre no sentido da ilegalidade da publicação das conversas gravas e não no da invenção das mesmas.

É certo que, por consequência da não divulgação das escutas das conversas do primeiro-ministro, é ainda difícil, a nível formal/jurídico (mas não político) provar o envolvimento de Sócrates. Agora, devido à proximidade de Sócrates com Vara, Perestrello e outros que tais, cumpre que se cite o velho ditado: "diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és".

Sem comentários:

Enviar um comentário