terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pata na poça



O Estado português pediu mais tempo à Comissão Europeia para responder às questões postas pelo órgão comunitário no que respeita ao concurso (ou, ao que parece, à falta dele) para o fornecimento dos computadores "Magalhães".

Na altura em que surgiu a desconfiança de que não teriam sido respeitadas as regras comunitárias de concorrência, "o secretário de Estado das Obras Públicas e Comunicações, Paulo Campos, negou a existência de um processo de contratação directa dos computadores Magalhães à JP Sá Couto, salientando que houve um total de nove marcas (duas das quais portuguesas) a fornecer os computadores".

Se existiu, realmente, o tal procedimento concursal porquê a demora em enviar essa tão simples resposta? Parece que, mais uma vez, o engenheiro (ou lá que título arranjou o senhor na prestigiada Universidade Independente) meteu a pata numa descomunal poça!

Sem comentários:

Enviar um comentário