terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Não estava, afinal, tudo melhor com Saddam?



Perante notícias como esta (também aqui) não sei como se pode falar na realização das "segundas eleições democráticas" no Iraque. Num país onde morrem, desde a intervenção de 2003, mais de 30 civis por dia, falar de democracia é completamente ridículo. Como se pode, sequer, falar de liberdade se não existem as mínimas condições de segurança, se o próprio direito à vida se encontra completamente ameaçado?

A falta de soluções do Presidente Obama (eleito, essencialmente, porque teria uma nova estratégia para o pântano em que Bush atolou a política externa norte-americana, leva a que nada tenha mudado em relação do seu antecessor. Barack Obama é, afinal, mais do mesmo...

Perante a gritante situação humanitária que vive hoje o Iraque, já me apetece perguntar: não estava, afinal, tudo melhor com Saddam?

2 comentários:

  1. Par os fascistas, tudo está melhor com ditaduras

    ResponderEliminar
  2. E sob que regime vive, hoje, o povo Iraquiano, afinal? Entre a cada vez maior opressão das mulheres, as infâncias vividas sob a ameaça das bombas e as mortes constantes, não me parece que se tenha feito algum progresso no sentido da democratização...

    ResponderEliminar