quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Contracepção VS Protecção




É muitíssimo comum que, numa consulta de ginecologia, seja perguntado à mulher que método contraceptivo utiliza. Sendo a mulher lésbica, responderá, naturalmente, que nenhum. Como é sabido duas mulheres não podem dar origem a um filho em conjunto. Fica, nesta altura, @ médic@ muito preocupad@, "então, não se protege?", ao que a senhora tem de explicar, a uma pessoa que já o devia saber de cor, que métodos de contracepção e métodos de protecção contra ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) são coisas diferentes.

É nesta mesma confusão que cai este artigo do Público, quando começa por referir a taxa de incidência do HIV e, depois, parte para estatísticas de métodos de contracepção.

Foi, em parte, esta confusão que levou a que, durante algum tempo, a taxa de contaminação por HIV nos homossexuais foose superior à dos heterossexuais: "Se não podemos ter filhos por que vamos usar o preservativo ou outro método "contraceptivo"? É esta mesma confusão que faz com que muitos casais heterossexuais pensem que porque a mulher toma a pílula, estão protegidos contra o HIV.

Devemos tentar ao máximo acabar com estas confusões, esclarecendo as pessoas e marcando bem a distinção e diferentes funções dos métodos contraceptivos e aqueles que servem para a protecção contra ISTs. O Público, jornal de referência, podia ter dado uma ajuda neste sentido, mas preferiu, utilizando uma notícia da Lusa, contribuir para a falta de esclarecimento.

Sem comentários:

Enviar um comentário